Salve, salve, minha galera desse nosso Brasil musical! Venham, sentem-se para escutar a nossa conversa de hoje e viajar ao som do nosso Bardo!

Muitas vezes viajamos ao ouvir uma melodia bem trabalhada; em outras, a letra nos transporta a lugares e feitos épicos ou a algo que nos toca profundamente. Esses profissionais da música que comumente chamamos de músicos operam verdadeiros milagres. Faz tempo que deixei de chamá-los músicos para considera-los verdadeiros Bardos!

Não falo daqueles que têm o seu valor ao fazer o seu som repetitivo ou as suas letras mais simples e que falam majoritariamente de sentimentos pura e simplesmente. Cada qual tem seu gosto e se diverte de maneiras e engenhos tão variados quanto a imaginação humana. Porém, me alegro ao ver bandas que aderem ao nosso mundo fantástico do RPG e vestem a camisa para partilhar esse universo épico traduzido em algo mágico que dura tão pouco tempo. Cada um tem a sua favorita e peço que as postem aqui no nosso mural da taberna para trocarmos essa experiência.

© 2011 Yuuza

Meu universo é mais Celta, pagão e guerreiro. Então, bandas como Saor Patrol, Blind Guardian, Wuthering Heights, a extinta Dragonheart com o nosso amigo Eduardo Marques (Great Pendragon Podcast) são as que mais me apetecem no que tange ao universo “menos conhecido” pela maioria. Bandas como Metallica e Iron Maiden me encantam pela adaptabilidade de livros e lendas que povoam a nossa sociedade. O mais engraçado e que é alvo de certas críticas por minha parte é que, muitas vezes por não entender a língua estrangeira e/ou por achar o som pesado demais, muitas pessoas tendem a satanizar o nosso bom e velho rock’n roll. Mas, deixemos para lá essas coisas.

Creio que podemos entender melhor a função primordial do Bardo a partir dessa ótica, que é a de encantar os corações e informar através da melodia combinada à vocalização. Quando esses elementos dois se combinam é uma experiência primorosa. Assim, queridos mestres de dungeons e narradores, tentem aliar não só a música a esses personagens, mas também às suas aventuras. Seus jogadores irão ficar para lá de satisfeitos e o nível das aventuras irão para outro patamar. Além do mais, se pararmos para prestar atenção, várias aventuras podem ser pensadas a partir dessas canções e seus roteiros.

Tentem, inovem, vale a pena. Façam da experiência dos seus jogadores e de quem está experimentando o RPG pela primeira vez algo inesquecível. Vamos reavivar nossas mesas.

Bom, teremos que ficar por aqui, o bardo vai se apresentar e precisa afinar seus instrumentos. Nosso estagiário que trabalha como holder faltou hoje e eu darei uma ajudinha. Obrigado pela visita e esperamos você aqui na nossa próxima noitada, ao som do nosso Bardo favorito.

Um nerd normal, que sabe um pouco de Latim, pesquisa Idade Média e escreve bastante. Professor por vocação, tenta gerar pensamento crítico na cabeça dessa molecada dando suas aulas doidas de Produção Textual, Português e Literatura. Amante de uma boa cerveja e um ótimo papo com a galera.
Adsum! Estamos presentes!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d blogueiros gostam disto: