No dia quinze de janeiro de 2008, era lançado em DVD a animação “Dragonlance: Dragons of Autumn Twilight”, filme baseado no livro de mesmo nome de Margareth Weis e Tracy Hickmann, traduzido para o português pela Devir com o título de “Dragões do Crepúsculo do Outono” e com direção por Will Meugniot, diretor de outros filmes como “Stargate Infinity” e “The Real Ghostbusters”; seu roteiro foi adaptado por George Strayton responsável por “Cleopatra 2525”, “Xena: Warrior Princess” e “Hercules: The Legendary Journeys”. Produzido pelos estúdios Toonz Animation, Commotion Pictures e EpicLevel Entertainment com arte conceitual de Kunoichi e a distribuição mundial pela Paramount Pictures.

Os produtores colocaram no ar antes do lançamento um site, no qual principalmente os autores do livro Margareth e Tracy, podiam responder dúvidas via fórum e ter as novidades sobre o filme. E, realmente, quando o elenco de dubladores foi apresentado, muito se esperava dessa animação, afinal tínhamos nomes de peso entre os dubladores, especialmente Kiefer Sutherland, famoso por seu personagem Jack Bauer na série “24”, na voz do mago Raistlin Majere, e Lucy Lawless, cantora e famosa pela personagem Xena. E a lista de bons atores não parava por aí. Esse foi, na minha opinião, o primeiro acerto dos produtores para o filme.

dragonlance1ny0.jpgEm seguida foi lançado no site as artes conceituais para os Heróis da Lança e as imagens remetiam aos desenhos dos anos 80 com a qualidade gráfica que se pode pedir de qualquer animação moderna, o que me deixou muito feliz, pois acredito que não haveria jeito melhor de representar uma animação de Dragonlance e de um mundo de D&D com um conceito de arte diferente do de Caverna do Dragão (no original, Dungeons & Dragons). Novamente esse foi um ponto de acerto para os produtores e a empresa de arte conceitual.

Infelizmente, o filme parou de acertar daí em diante. Os produtores resolveram misturar objetos 3D com a animação, além de efeitos gerados via computador com os de animação. O que se mostrou catastrófico para a produção pois, com um orçamento obviamente reduzido, o trabalho não passou nem perto da qualidade necessária; draconianos e dragões em 3D de qualidade deplorável, mal-inseridos na animação, efeitos de fogo sem sentido e sem condizer em nada com a animação estragam cenas que, se fossem feitas com a própria animação, teriam sido fortes acertos de produção. Além disso, é possível ver que muitas vezes a economia de quadros na animação faz realmente o filme parecer uma animação de baixa qualidade. Assim pode-se resumir a produção de Dragonlance.

Com relação ao roteiro, outros problemas claros aparecem, mas o mais forte é que o filme é uma peça de 90 minutos, ou seja, apenas uma hora e meia de desenho, o que me faz pensar: como inserir tantos personagens importantes, com histórias diferentes, que são determinantes no rumo da história maior a ser contada, e ainda conseguir dar coerência a todo o filme. Pois bem, a pergunta foi respondida, mas não à altura necessária; o filme tem um ritmo frenético, difícil de acompanhar e com muitas coisas ficando sem explicação; personagens importantes como Veerminard e Elistan ficam em segundo plano e se resumem a aparecer por um ou dois minutos durante todo o filme.

E de fato o único personagem com o qual a o roteiro parece se importar um pouco mais é Tanis Half-elf e, ainda sim, a superficialidade dele me faz perguntar porque gastar tempo com ele se teremos um resultado tão superficial?

O filme como um todo é decepcionante. Como bom fã de Dragonlance, você claro deve assisti-lo uma vez para depois esquecer que ele existiu ou para ficar na lembrança de que algo anterior já foi tentado, e servir de parâmetro de qualidade  caso um dia algum filme realmente impactante venha a ser produzido. Esse filme ser produzido me parece um começo para algo que pode ou não acarretar num filme melhor. Vamos esperar que Dragonlance siga os passos de “O Senhor dos Anéis”, mas que não demore tanto tempo entre uma produção ruim e uma trilogia ganhadora de muitos Oscar e prêmios.

Pessoalmente, esse filme é uma nota 2/10 e nem por ser Dragonlance a nota sobe.

Até a próxima.

Fe palado Calib, Fe Istaras Apalo.