Eu estou produzindo e gravando podcasts desde 2008, tempo mais que suficiente para ver uma nova geração chegando à cena e trazendo idéias novas para a plataforma. Apesar de algumas coisas continuarem as mesmas, hoje a criação e produção de um podcast anda muito mais fácil para quem quer começar seu próprio show. Ainda há uma barreira de entrada, mas essa barreira é bem mais fácil de se transpor do que há dez anos. Vamos ver se eu posso lhe ajudar caso você tenha um gravador na mão e uma idéia da cabeça.

Ter uma opinião, gente disposta a discutir com você sobre um assunto, e um microfone são um bom começo, mas de longe não é o suficiente para começar um podcast. Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha nossa vã filosofia. Não é à toa que nove de cada dez podcasts que começam não duram cinco episódios — e, dos que duram, nove de cada dez não irão completar um segundo ano de produção.

Preparação

Não importa se seu show almeja fazer críticas sócio-econômicas, comentar filmes da Marvel ou ser um programa de humor e notícias, a estrutura que você montar para seu show é o que realmente importa. Por mais solto e natural que você queira que seu podcast seja, um script é o que você precisa, primeiro e acima de tudo, para seu show não parecer que alguém gravou a conversa de um grupo aleatório numa pizzaria. 

Abra seu editor de texto favorito e trace a rota que você pretende seguir com seu primeiro episódio. Introdução dos convidados (ou sua introdução, se for um show solo), o tema do dia e uma lista do que você pretende cobrir no episódio. Não precisa escrever um script para ser lido na gravação (apesar de que ajuda quando se trata de um podcast informativo), mas sempre tenha em mãos ao menos uma listinha de pontos para cobrir, porque você vai esquecer alguma coisa importante a não ser que esteja escrita bem na sua frente. Se for uma entrevista, produza perguntas de antemão. A conversa com o entrevistado ou entrevistada certamente gerará novas perguntas, mas é fundamental que você tenha anotado o básico que quer saber antes da gravação começar.

Um documento também é bom ao longo dos dias ou das semanas entre gravações. Manter um arquivo no bloco de notas ou editor de textos que você possa acessar pelo celular ou em outros computadores permite que você salve links que possa querer consultar ou pesquisar antes da gravação, anotar idéias que aparecem no meio do dia e, principalmente, permitir que seus co-apresentadores trabalhem no mesmo documento.

E esta é talvez a coisa mais importante que você deve ter sempre em mente: encontre sua própria voz. Eu sei que você quer começar um podcast porque ouve podcasts e quer fazer o mesmo, tem algo a dizer. Se você quer matar seu podcast, imite alguém. Copie o formato e o jeito de outro podcast. Cara… sua audiência consegue farejar posers a um quilômetro de distância. Não tente ser o próximo Mamilos ou o próximo Podcrastinadores. Fique à vontade para copiar de vários podcasts, mas o faça de modo que a mistura seja única, seja sua. As pessoas podem até te encontrar e ouvir um episódio porque seu podcast parece com o ComicPod, mas vão continuar te ouvindo por você. E imitações já têm demais por aí.

Gravando

Existem ferramentas bem caras para se criar e editar um podcast, mas literalmente tudo o que você precisa já se encontra no seu computador. QuickTime é um programa gratuito que já vem instalado em todo computador. Basta abrir o aplicativo, clicar em Arquivo > Nova gravação de áudio e começar a falar (ou ler seu script) em frente ao microfone. Se você tem um ou mais co-apresentadores e eles se encontram em diferentes localidades (ou não podem vir à sua casa para gravar com você), o Skype possui algumas ferramentas que gravam a conversa, como MP3 Skype Recorder e Amolto que têm versões pagas e versões gratuitas. As ferramentas para o Skype que vêm mais recursos são pagas mas, novamente, as gratuitas já são mais do que você vai precisar. 

Um simples microfone com entrada de 3.5 mm já é o suficiente para seus primeiros episódios. Talvez, depois de algum tempo, você queira comprar um microfone um pouco melhor, mas você definitivamente não precisa de um microfone XLR cardióiode de 300 Reais conectado a uma mesa de som de 700 Reais para gravar seu podcast. Eu tinha cinco anos de podcasts semanais atrás de mim quando gastei dinheiro pela primeira vez num microfone de estúdio. Você só deve tomar certas precauções: microfones de lapela, mesa ou headsets tendem a ser muito sensíveis e vão captar todos os ruídos e reverberações do cômodo em que você estiver. Então procure gravar num horário com pouco tráfego na rua (se você não puder gravar num cômodo longe da parte da casa que recebe barulho externo), aprenda a como ajustar as configurações do seu microfone em seu computador, escolha ou crie um ambiente repleto de decorações, móveis e objetos nas paredes — essas coisas criam um ambiente multi-facetado que quebra o som e minimiza a quantidade de eco e reverberação que seu microfone vai capturar (caso contrário, é como gravar num banheiro); pendure algumas cortinas, cobertores ou até mesmo toalhas há alguns milímetro das paredes se possível, e certifique-se que qualquer outra pessoa que viva com você saiba que você você não pode ser importunado. Não tem nada que grite “amador” mais forte que ouvir latidos ou aspiradores de pó ou uma TV ou carros ao fundo de uma gravação. Ah… e desligue o telefone celular. Mudo, não. Desligue o maldito. Você está ocupado quando grava um podcast.

Como editar

Na hora de editar, programas gratuitos também devem ser sua primeira opção. O Audacity é um aplicativo poderoso, mantido pela comunidade que o usa, com inúmeros plugins que você pode instalar e usar de graça e ele funciona tanto em Windows PC, Mac e Linux. O Audacity tem uma curva de aprendizado meio acentuada, especialmente porque ele tem recursos demais, mas nada que alguns tutoriais no YouTube não possam ajudar.

A primeira coisa que você deve fazer é filtrar ruídos de cada faixa para sumir com “white noise” e barulhinhos de fundo que você não notou que estavam lá durante a gravação. Faça isso antes de nivelar ou normalizar o áudio, ou os ruídos também serão amplificados. Passe por cima de toda a sua gravação se necessário, e use as funções de filtragem de qualquer que seja seu editor de áudio antes de fazer qualquer outra coisa. Se você perceber que uma ou mais faixas têm um ruído inconsistente, difícil de filtrar (como por exemplo se alguém ficou recebendo mensagens no celular durante a gravação ou se o ruído do teclado aparece de vez em quando) pode ser mais prático usar um noise gate. Noise gate basicamente diz para o aplicativo ignorar qualquer som abaixo de certa freqüência. Digamos… -60 dB. Às vezes eu preciso usar um noise gate super agressivo com -40 ou mesmo -35 dB, mas esses níveis são perigosamente perto do som de respiração (quando quem está falando puxa o ar para continuar falando) e poe gerar cortes esquisitos no seu áudio. Por via das dúvidas, teste o noise gate com vários níveis diferentes e ouça segmentos do seu áudio para garantir que ele não está ficando esquisito. O plug-in de noise gate não vem instalado no Audacity básico, mas como tudo nesse aplicativo, basta pegá-lo no site oficial e instalá-lo. Meu primeiro microfone de estúdio veio com um cabo que criava um ruído branco, elétrico, bem baixinho na gravação. Mesmo usando pontos sem fala da gravação para filtrar o áudio, o ruidinho aparecia atrás de que quem estivesse falando. O jeito de matar isso é usando um noise gate.

Ruídos eliminados? Agora você usa o compressor do Audacity (ou, melhor ainda, exporta o áudio em wav ou aiff e usa o maravilhoso Levelator, um aplicativo abandonado há anos mas que ainda faz um trabalho melhor que qualquer outra ferramenta que eu já tenha usado para nivelar áudio). Você vai querer nivelar seu áudio para que as freqüências baixas aumentem e as freqüências altas abaixem um pouco, deixando não só o volume de todo o seu áudio consistente, mas também eliminando diferenças de intensidade, como momentos em que a fala de alguém foi muito quieta ou pontos em que outrem falaram muito alto. Um compressor é praticamente obrigatório para fazer com que todo o áudio da sua gravação esteja nivelado e seja fácil de ser ouvido, seja num headset, seja no carro durante a hora do rush.

Se você usa um iMac ou um iPad para editar, provavelmente conhece o GarageBand, programa gratuito de edição de áudio da Apple. A nova versão, X (ou 10) perdeu alguns recursos específicos para edição de podcasts, como criação de capítulos, mas o aplicativo também ganhou recursos de edição, equalização, filtros e outras coisas muito úteis. E uso o GarageBand há quinze anos e tendo a preferir ele ao Audacity, mas ao fim e ao cabo vai depender da sua própria experiência para escolher entre esses aplicativos. O melhor programa que eu já usei para editar áudio é o Adobe Audition. Eu o usava quando ainda era chamado Cool Edit Pro, antes da Adobe comprá-lo. Mas abandonei o Audition quando a Adobe mudou para um sistema de assinatura. Ao invés de pagar anualmente por um programa provavelmente super-capacitado para meu reles podcast, eu passei a usar o GarageBand.

Chegou a hora de publicar

Eu sei que tem gente que acha que subir um arquivo mp3 pro 4shared e distribuir o link pros amigos através da postagem do Blogger é fazer um podcast (meldels, teve uma época em que todo mundo fazia isso).

Não é.

Sua criação só se configura um podcast se você tiver um feed RSS que as pessoas podem pegar, jogar em seus podcatchers e receber automaticamente o áudio quando você publica um novo. A essência do podcast é a capacidade de ser assinado num aplicativo. Se é um arquivo de áudio perdido no meio de um website, é só um arquivo de áudio, e não um podcast. Podcasts têm RSS e são distribuídos em plataformas (chamadas de diretórios) como Apple Podcasts, Spotify, Stitcher, Buzzsprout, Podbean, TuneIn, etc.

Depois de um tempo, talvez você vá ter assinantes o suficiente para justificar montar um site do zero, pagar por um domínio legal e por um servidor mas, no mínimo durante o primeiro ano de vida do seu podcast, você não precisa mais que uma plataforma gratuita para subir seus mp3 — e o bom delas é que já têm várias ferramentas feitas para podcasts. Dê uma olhada no SoundCloud, no PodBean, no SimpleCast ou no Podomatic, ou se você tiver a disposição de pagar uns 5 ou 10 Dólares por mês por um serviço um pouco melhor, tem o Blubrry, o LibSyn, o BuzzSprout , o Castos e o Transistor, entre outros. Gratuitos ou pagos, esses lugares vão criar seu RSS pra você e lhe dar um blog para poder colocar a descrição, as ilustrações, links e informações de contato de seu podcast e de cada episódio.

Aí você pega seu RSS e manda ele para o Apple Podcast, Google Podcasts e Spotify — mais pessoas encontram meus podcasts através dessas plataformas do que aparecem pelo boca-a-boca. Não esqueça de ler e seguir as regras para publicação de cada plataforma!

Espero que você seja um daqueles podcast que, de um total de cem que começam esta jornada, duram mais de um ano. Quem sabe, você pode até ser escolhido Podcast do Ano pela MTV ano que vem!

Dica extra: etiqueta

A coisa que eu vejo por aí que mais me broxa em relação a podcasts é obrigar o convidado ou convidada a gravar a própria faixa de áudio. Pelamor, hein? A pessoa cede a você a atenção e o tempo, certamente precioso, e você ainda vai fazer a pessoa baixar um programa no computador dela, provavelmente um que ela nunca usou na vida, vai pedir pra gravar o áudio dela e te mandar pela internet? Fazer isso não é só pedir pra muita gente não só nunca voltar ao seu show, mas também para não contarem pra ninguém que ele existe.

Você quer convidar alguém para participar do seu podcast não é para beneficiar o convidado, mas a você mesmo. Então crie vergonha na cara e dê um jeito de gravar você mesmo o áudio da convidada. Ela usa Discord? Ótimo! Você pode gravar usando o robozinho do Craig. Ela não sabe o que é Discord, só tem Skype ou FaceTime? Você se vira, não a visita. Use um plugin que grave conversas do Skype, assine um serviço como Zencastr ou Cast, compre um aplicativo de captura de áudio como o Audio Hijack, faça uma gambiarra com cabos aí no seu computador pro áudio de saída ser gravado no seu tablet… dá teus pulo. Mas nunca, nunca obrigue seu convidado a fazer alguma coisa além de se sentar em frente a um computador e conversar com você. Ele não é membro do seu podcast, não é co-apresentador e não tem obrigação nenhuma com seu podcast. Essa responsabilidade é sua.

Fotos: Pixabay e Pexels.