Desde as origens matando dragões ...

Desde as origens matando dragões ...

O mercado de jogos eletrônicos tem crescido ano após ano, e tem criado verdadeiras obras primas tanto quanto à jogabilidade, gráficos, velocidade e tudo que a tecnologia provê.

Há não muito tempo atrás esses jogos eram desenvolvidos por empresas pequenas, ou quando muito departamentos pequenos de empresas grandes, onde o foco era o  desenvolvimento de um jogo sólido com recursos limitados, prazos apertados e pressão de investidores, o que influencia diretamente a qualidade do jogo em si.

Com o boost da tecnologia voltada para o entretenimento nos últimos anos essa empreitada deixou de ser uma coisa arriscada, altamente ameaçada pela pirataria, onde custos cresciam e lucros diminuem, para se tornar um negócio grandioso, tendo casos comparáveis à produções cinematográficas, e o pequeno departamento ou empresa de artistas e desenvolvedores cresceu e possui agora em sua folha de pagamentos profissionais de diversas áreas, desenvolvedores, artistas, dubladores, atores, cinematógrafos, produtores, diretores, escritores e roteiristas.

E esse é o ponto onde quero chegar, o que essas observações tem a ver com RPG?

Tudo de fato. Mestres escrevem, roteirizam e dirigem aventuras, jogadores atuam, interpretam e dublam personagens e quaisquer acessórios, regras, livros foram criados e produzidos por alguém que diagramou a estrutura para o jogo.

As fontes que usamos para os jogos são as mais diversas, livros, filmes, uma situação inusitada do dia a dia e, por que não, os próprios jogos.

E não limito essa lista aos tais RPG’s eletrônicos (alvos de tridentes e tochas de multidões enfurecidas que não os consideram RPG’s) nem somente aos MMO’s. Todo jogo hoje em dia tem saido com características típicas do RPG, quando não são RPG’s disfarçados.

Um exemplo clássico são as mais recentes versões do Grand Theft Auto (GTA) que é claramente um RPG, com missões, experiência, desenvolvimento de personagem, um mundo bem aberto com escolhas a serem tomadas. O próprio pessoal da Rockstar deu uma entrevista sobre o sucesso da franquia do GTA, e atribuiu um dos fatores de sucesso o fato de ser um RPG e ser vendido como um jogo de ação, pois jogadores mais casuais associavam RPG a um jogo extenuante, longo e que se devia prestar atenção demais. Quando os jogadores de GTA compraram esse jogo de ação eles acabaram intuitivamente prestando atenção na história, tomando decisões e evoluindo o personagem de forma sub-consciente, e gostando do jogo por causa dessas características.

Esse é um caso mais explicito, mas existem casos mais discreto de características típicas de RPG em jogos mais comuns, como por exemplo o mais novo jogo do Tiger Woods, PGA Tour 11. Em modo de carreira, o desenvolvimento do seu jogador tem tantas ou mais opções quanto um RPG de mesa para o desenvolvimento do personagem, o que induz você a criar um certo carinho e expectativas para o desenvolvimento dele.

Como último exemplo eu cito um caso pessoal engraçado que ocorreu recentemente comigo. Minha mãe cujo conhecimento de RPG não vai muito além de que é algo para melhorar a postura. Eis que outro dia durante o almoço ela recebe uma ligação e uma das frases foi algo como: “Quando eu fiz a quest de entregar os pães de manhã, eu ganhei trinta e sete xis-pê e consegui subir para o nivel nove”.

Eu simplesmente engasguei e esperei ela terminar a ligação, para descobrir o que essa frase estava fazendo sendo proferida por ela, e foi ai que descobri que os tais jogos em flash que estão aparecendo em redes sociais hoje em dia, chamados pela mídia de jogos sociais, são fortemente baseados em regras de RPG, resolução de quests, missões, experiencia, subir de níveis, ganhar equipamentos mais poderosos para fazer as quests mais difíceis e por ai vai.

E com base nessa invasão RPGística em todo o mercado de jogos interativos, com profissionais bem pagos para criação de regras, histórias, desafios, jogos vindos das mais diversas fontes de idéias, ampliando possibilidades, fazendo que jogadores almejem ancinhos +1 para suas fazendas ou tacos de golfe vorpais para acertar seus buracos é que podemos ver outros tipos de inspiração, novas idéias para trazer para o seu RPG de mesa e fazer uso dessa indústria milionária em crescente desenvolvimento para entretenimento do seu grupo sem que vocês precisem de consoles de video-game ou joysticks diversos para todos. Afinal de contas, eles já estão levando o RPG para esses jogos, todos ganham com essa troca!

Yastromo

Formado em Ciências da Computação e aficionado por ficção e fantasia escreve desde contos e histórias até análises de regras de sistemas ou mundos reais ou imaginários.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d blogueiros gostam disto: