A Disney dispensou sob licença funcionários em várias divisões graças à falta de faturamento com tudo fechado enquanto o mundo combate o Covid-19. E a Marvel Entertainment também foi incluida nessas licenças. O jornal The Guardian informou recentemente que a Marvel estava cortando sua equipe editorial pela metade como resultado de tais licenças, embora o site Bleeding Cool diga que é menos do que isso. Licença é a palavra que estou usando aqui numa tentativa vagabunda de traduzir “furlough” do inglês para o português. Basicamente, significa que empregados podem ter seu funcionários postos em licença de trabalho devido a condições econômicas adversas. Os funcionários afetados foram dispensados, em vez de demitidos; a Marvel continua a fornecer seguro de saúde pelo período, e pretende-se que eles voltem ao trabalho. Isso está afetando funcionários e cargos baixos e elevados na editora. O período de licença para a equipe da Disney como um todo começou em 19 de abril, e para a Marvel Comics começou uma semana depois, em 26 de abril.

No Reino Unido, funcionários com licença estão recebendo do governo 80% de seu salários regulares, mas esse não é o caso nos EUA (claro que não, país mesquinho da porra). Nos EUA, os funcionários estão sendo recomendados a usar folgas remuneradas acumuladas e há alguma assistência federal ao desemprego, mas é raquítica se comparada com países que não odeiam quem não é podre de rico, como a França, a Alemanha ou a Inglaterra.

Essa atitude da editora já era meio que esperada, desde que a Marvel Comics colocou vários títulos em espera durante a pandemia. Ao contrário da DC Comics, a Marvel optou por não anunciar nenhum plano de distribuição alternativo. Em vez disso, como Image Comics, Dark Horse, IDW, Boom, Dynamite e muitas outras editoras, eles estão esperando que os distribuidores de quadrinhos (a Diamond) comecem a distribuir para as lojas de quadrinhos capazes de recebê-los novamente de forma limitada a partir de meados de maio. A Marvel também suspendeu novos títulos de histórias em quadrinhos digitais e, ao contrário da DC, decidiu não publicar novos títulos digitais.